Prós e contras do leite baralham país

13 fevereiro 2019

Perante o fogo cruzado de opiniões estarão os portugueses perdidos ao recearem o leite, mas não tanto o queijo ou manteiga? Francisco George diz que “é um alimento excelente”.

Facto 1: Entre 2005 e 2015, o consumo de leite em Portugal colapsou 21%, de 90,8 para o mínimo 70,6kg anuais per capita, segundo o Instituto Nacional de Estatística. A queda estancou, mas, em 2017, o consumo persistia abaixo dos níveis de 1985.

Facto 2: Segundo o Inquérito Alimentar Nacional 2015-2016, os portugueses consomem uma média diária de 254 gramas de produtos lácteos. A roda dos alimentos, recomenda o consumo de duas a três porções por dia, entre 250 mililitros de leite, 200 gramas de iogurte sólido ou líquido, 40 gramas de queijo, 50 gramas de queijo fresco ou 100 gramas de requeijão.

Facto 3: Quem pesquisar hoje na internet “leite faz al” terá acesso a mais de 700 milhões de conteúdos em português ou inglês a propagarem-se através das redes sociais. Porque se diz vítima de uma campanha de desinformação, a Federação Nacional das Cooperativas de Produtores de Leite (Fenalac) tem apoiado iniciativas, como esta, que levam peritos a explicar se o leite faz assim tão mal à saúde. A ideia veio do próprio Presidente da República, que já a apadrinhou o combate da Fenalac.

Consumidores perdidos
“O paradoxo é que nunca houve tanta informação e talvez nunca tenha havido tanta confusão”, diz Clara Cardoso. Para esta coordenadora do C-The Consumer Intelligence Lab, vive-se em pleno fogo cruzado de informação: “Os argumentos somam-se, as mensagens complexificam-se muitíssimo, as pessoas ficam perdidas”. Das suas investigações, Clara Cardoso conclui que cortar o leite é uma das decisões que os consumidores têm é uma das decisões que os consumidores têm tomado com pouquíssimo fundamento: “Quando questionados, as narrativas são curtas, pouco articuladas. Quando se pergunta a fonte de informação que deu origem à decisão, pode já não se saber muito bem ou talvez se sabia e, enfim, conclui-se que foi um personal trainer ou numa conversa ocasional de amigo”.

A verdade é que nem todos os lacticínios acompanharem o colapso do leite. O consumo per capita de iogurtes caiu 7% desde 2011, mas ainda é sete vezes superior a 1985. O consumo per capita de queijo está a 200 gramas do recorde anual de 12,9 kg. E o consumo per capita de manteiga já igual o máximo de 2 kg.

Um dos peritos que aceitaram o repto de Marcelo Rebelo de Sousa foi o nutricionista e professor universitário Nuno Borges. “É minha obrigação levar ao maior número possível de pessoas a informação mais correta e atual sobre o tema. Entendo que existe um grande ruído mediático sobre o leite e o seu consumo, que em nada ajuda a população a decidir racionalmente acerca de o consumir ou não. Urge trazer para o público aquilo que é a melhor informação científica disponível nos diz hoje”.

Ao longo deste projeto, o Expresso vai ouvir este e outros peritos sobre o leite. E nesta primeira das seis páginas dedicadas ao tema, começou por inquirir um dos mais conhecidos médicos entre os portugueses: Francisco George, o ex-diretor geral da Saúde e atual presidente da Cruz Vermelha.

“O leite é um alimento excelente. Rico em proteínas, cálcio e minerais e, seguramente, um alimento indispensável ao desenvolvimento de crianças, jovens, adultos e idosos. Provavelmente, o leite será o alimento mais democrático, no verdadeiro sentido do termo, uma vez que á acessível a todas as famílias, de altos e baixos rendimentos. Se bem que ainda sem comprovação científica, são muitos os especialistas que acreditam que a melhoria geral do estado de saúde dos portugueses, incluído o aumento da sua altura nas duas últimas gerações, poderá ter uma relação com o consumo de leite. Não é por acaso que em situações de catástrofe e de fome, os organismos humanitários dão prioridade ao leite. O leite é um alimento absolutamente essencial e as camapnhas contra o seu uso devem ser rebatidas. Não há qualquer argumento cientificamente fundamentado contra o leite”, diz Francisco George.

5 questões em cima da mesa
O desafio dos lacticínios, tal como outros produtos de grande consumo, é a reinvenção para reconquistar clientes

Apoiar a economia
Quantos postos de trabalho garante a indústria do leite? Menos de seis mil devido à quebra registada no volume de negócios, nas empresas e no pessoal na última década. Dada a sua relevância económica, a retoma da indústria terá impacto no PIB.

Prós e contras do leite baralham país
O enorme desafio das alterações climáticas e a urgente transição energética que se coloca à humanidade são oportunidades únicas para a generalidade dos produtos de grande consumo, como o leite, se reinventarem para reduzirem a sua pegada ecológica.

Vencer as “fake news”
O consumo de leite remonta há milhares de anos, há quem diga desde o Neolítico. Mas, em poucos anos, as redes sociais inflamaram a polémica em torno dos benefícios e malefícios deste alimento. Afinal, o que é mito ou verdade? É o que queremos saber, no mundo real ou digital.

Valorizar os nutrientes
Todos sabem que o leite é bastante rico em cálcio. Mas são menos aqueles que associam o leite a outros nutrientes essenciais ao organismo, como vitaminas, fosforo, potássio, ácido fólico ou proteínas. Quem o diz é a Associação Portuguesa dos Nutricionistas.

Adaptar-se ao consumidor
Leite gordo, magros ou meio-gordo, leite cru, pasteurizado, UHT ou esterilizado, leite com sabores ou sem lactose, leite enriquecido com fibras ou ómega-3 … Importa investigar para trazer leites mais seguros e inovadores ao mercado.

O que é o projeto
O Expresso e a SIC Noticias, em parceria com a Fenalac, juntam-se para falar de leite. O projeto discute e sublinha a centralidade e o papel do leite, através de opiniões e visões de especialistas sobre o tema. Debateremos o seu relevo na economia, no desporto, na política, nos cafés e pastelarias, nos hábitos do dia-a-dia. O projeto mostra que a temática do leite é pertinente e transversal à sociedade portuguesa, pois está em todo o lado, independentemente de estarmos a favor ou contra o seu consumo.

Até abril poderá acompanhar o projeto nas plataformas da imprensa. No semanário, com artigos em que nutricionistas, médicos e demais peritos focam a sua atenção nas questões que se colocam à população adulta e às crianças; em peças sobre a história e as curiosidades no percurso do leite ao longo dos tempos; bem como sobre as inovações e novos produtos que surgirão no sector.

Na antena da SIC Noticias serão exibidos pequenos filmes ao longo de três meses, com repercussão, em simultâneo no online do Expresso e nas redes sociais da SIC Noticias.

FONTE: Expresso

 

Associadas

Parcerias

Objectivos

‘‘Os objectivos da ANIL centram-se na defesa dos interesses e representação do sector, no acompanhamento das matérias legislativas, normativas, ambientais, económicas e técnicas que contribuam para o desenvolvimento da indústria láctea em Portugal...

Calendário

Redes Sociais

Top
ATENÇÃO: Este site apenas usa os cookies para lhe facilitar a navegação enquanto utilizador.
Saiba mais sobre cookies OK Decline