Pede tempo, paciência e mãos frias de mulher, o queijo serra da estrela

17 janeiro 2019

De 22 a 24 de fevereiro o concelho beirão de Celorico da Beira faz tributo a um dos produtos emblemáticos da região, o Queijo Serra da Estrela. Produto de labor paciente, proveniente do leite da ovelha Bordaleira. Um queijo que carece de mãos frias femininas. Do soro extrai-se o saboroso coalho para acompanhar com o doce de abóbora.

É com a designação de cartão-de-visita do concelho que Celorico da Beira, concelho do distrito da Guarda, apresenta o seu Queijo Serra da Estrela, produto que entre 22 e 24 de fevereiro tem um dos seus momentos maiores no que toca a venda e mostra.

Momento para os visitantes da Feira do Queijo perceberem todo o trabalho que implica apresentar um genuíno Serra da Estrela, produzido a partir do leite cru de ovelha da raça autóctone Bordaleira da Serra da Estrela e/ou Churra Mondegueira. Não pode faltar a flor de cardo e sal, misturados com mestria e arte pelas mãos da queijeira. Uma singularidade do produto para o qual contribui o clima ríspido da região.

De acordo com informação disponibilizada pelo município de Celorico da Beira, “a mão-de-obra utilizada nas queijarias é, na sua maioria, de índole familiar. Os segredos vão passando das avós para as netas, numa tradição secular. As artesãs possuem um conhecimento único, mas levantam sempre um pouco a ponta o véu e deixam-nos alguns pequenos segredos do ofício. As mãos, dizem elas, devem estar sempre frias, desde o dessoramento até ao encinchamento”.

“Em termos técnicos, o fabrico deste manjar inicia-se com uma seleção cuidada do leite, exclusivamente fornecido pela ovelha Bordaleira da Serra da Estrela. Posteriormente, é colocado em recipientes próprios para a formação da coalha. Esta é induzida através da utilização do cardo (retirado da flora regional), previamente moído no almofariz”, continua fonte do município.

“Após este processo, procede-se à extração do soro do leite – o dessoramento – a coalhada é agitada, a espaços, com cuidado para não prejudicar o endurecimento do grão”.

“Finalmente, a coalhada é pressionada levemente para se extrair o soro na quantidade desejada. É então colocada nos cinchos – o enchimento, sendo extraído o restante soro com o apoio de uma francela e onde a coalha sofre diversas viragens”.

“Após a salga, o queijo é colocado no local onde irá permanecer durante, pelo menos, 30 dias, para a sua maturação e encascamento. Entretanto o soro do leite é aproveitado para fazer requeijão, que é saboreado com o doce de abóbora. O processo de fabrico do Queijo Serra da Estrela é inspecionado. Desta forma, obtém-se um produto altamente qualificado de uma região demarcada, com denominação de origem protegida – DOP.

No que respeita à Feira do Queijo, esta contará com a componente animação musical, entregue ao cantor Toy, música popular, folclore, revista à portuguesa, assim como mostra e venda de artesanato, gastronomia, e exposição de cães Serra da Estrela.

FONTE: Lifestyle_Sapo

Associadas

Parcerias

Objectivos

‘‘Os objectivos da ANIL centram-se na defesa dos interesses e representação do sector, no acompanhamento das matérias legislativas, normativas, ambientais, económicas e técnicas que contribuam para o desenvolvimento da indústria láctea em Portugal...

Calendário

Redes Sociais

Top
ATENÇÃO: Este site apenas usa os cookies para lhe facilitar a navegação enquanto utilizador.
Saiba mais sobre cookies OK Decline