Queijos Dom Villas conquistam o Líbano e vão para o Dubai

07 dezembro 2018

A Lactilouro, que produz os queijos da marca Dom Villas no seio do grupo Lourofood, dos irmãos Lourenço, exporta para uma dezena de países e investiu dois milhões de euros no reforço tecnológico da sua fábrica em Famalicão.

Os irmãos Luís e Rogério Lourenço iniciaram a sua aventura empresarial na passagem do século XX para o XXI, tendo encontrado na tradição da família uma oportunidade de negócio e arriscaram tudo: a produção dos queijos "Dom Villas", que arrancou no dia 15 de Novembro de 2000.

Cedo perceberam que a queijaria onde laboravam, em Famalicão, era pequena para saciar o mercado, que exigia acabamentos distintos, pelo que decidiram separar a produção do acabamento e comercialização.

E assim nasceu a Lourofood, em 2005, com um investimento de 1,7 milhões de euros numa novas instalações produtivas, cujas obras começaram em 2008 e foram concluídas em 2013.

Três anos depois, a Lourofood autonomizou a produção de queijos de alta gama da marca Dom Villas na empresa Lactilouro, que prevê fechar o exercício deste ano com uma facturação recorde de 1,25 milhões de euros, o que traduz um crescimento da ordem dos 50% face a 2016, ano em que foi constituída.

"E 2019 promete ser um ano ainda mais auspicioso, com uma previsão de facturação de dois milhões de euros, por via do reforço da capacidade industrial e do recurso a novas tecnologias", adianta a Câmara de Famalicão, cujo presidente, Paulo Cunha, acompanhou esta segunda-feira o ministro da Agricultura e o secretário de Estado da Agricultura e Alimentação numa visita à Lactilouro.

A empresa possui departamento próprio de I&D e investiu, só este ano, cerca de dois milhões de euros em novos equipamentos tecnológicos, revela a autarquia, em comunicado.

Instalada na freguesia famalicense de Louro, a Lactilouro emprega 28 pessoas e exporta para uma dezena de países - Espanha, Alemanha, Bélgica, França, Reino Unido, América do Sul, África do Sul, Estados Unidos, Canadá e Líbano. Estes mercados externos deverão valer 67% das vendas totais da empresa em 2018.

"O Dubai é o próximo mercado que a marca pretende conquistar", avança a autarquia.

Já a Lourofood, que conta actualmente com 87 trabalhadores, prevê facturar 20,5 milhões de euros em 2018 e chegar aos 23 milhões no próximo ano.

FONTE: Jornal de Negócios

Associadas

Parcerias

Objectivos

‘‘Os objectivos da ANIL centram-se na defesa dos interesses e representação do sector, no acompanhamento das matérias legislativas, normativas, ambientais, económicas e técnicas que contribuam para o desenvolvimento da indústria láctea em Portugal...

Calendário

Redes Sociais

Top
ATENÇÃO: Este site apenas usa os cookies para lhe facilitar a navegação enquanto utilizador.
Saiba mais sobre cookies OK Decline