Os aditivos alimentares são seguros?

01 setembro 2022

Desde garantir que os alimentos processados permaneçam seguros e em condições a melhorar o sabor, os aditivos têm várias funções. Antes de poderem ser utilizados, há que atestar a sua segurança.~

Costuma olhar para o rótulo dos alimentos que tem em casa? Se a sua resposta é “sim”, com certeza já se deparou, na lista de ingredientes, com aditivos alimentares. Estes estão presentes em muitos dos alimentos que incluímos na nossa dieta diária e podem ter diversos objetivos, desde aumentar o período de vida útil do produto, a melhorar a sua textura, conferir cor ou sabor.

Os aditivos alimentares, podem ser referidos no rótulo de mais do que uma forma: além da sua função, devem ser indicados pela classe funcional e nome específico do aditivo alimentar (por exemplo, “corante – curcumina”) ou pelo número E (por exemplo, “corante: E 100). E porquê utilizar estes números para designar o aditivo? Para simplificar. Por vezes, são substâncias que têm nomes químicos complexos. Enquanto consumidores, quando nos deparamos com ingredientes que nos são desconhecidos ou denominados por números, é natural que questionemos se são seguros para a nossa saúde ou até se esse alimento será uma boa escolha. Mas, se os comemos, temos de os conhecer. Por isso mesmo, está na hora de desmistificar os aditivos alimentares e perceber se há riscos associados ao seu consumo.

O que são, afinal, aditivos alimentares?
Em primeiro lugar, importa esclarecer o que são estas substâncias. Existem 26 classes funcionais de aditivos alimentares e mais de 300 tipos diferentes aprovados e considerados seguros pela União Europeia. Estes podem ser utilizados com diferentes objetivos durante a preparação dos alimentos: adoçar, preservar/conservar, dar cor ou sabor, entre outros. A legislação da União Europeia tem a sua própria definição de aditivos alimentares: “qualquer substância não consumida habitualmente como género alimentício em si mesma e habitualmente não utilizada como ingrediente característico na alimentação, com ou sem valor nutritivo, e cuja adição intencional aos géneros alimentícios, com um objectivo tecnológico, na fase de fabrico, transformação, preparação, tratamento, embalagem, transporte ou armazenagem, tenha por efeito, ou possa legitimamente considerar-se como tendo por efeito, que ela própria ou os seus derivados se tornem directa ou indirectamente um componente desses géneros alimentícios”, lê-se no site da Comissão Europeia.

Para continuar a ler esta notícia, clique aqui

FONTE: Agroportal

Associadas

Parcerias

Objectivos

‘‘Os objectivos da ANIL centram-se na defesa dos interesses e representação do sector, no acompanhamento das matérias legislativas, normativas, ambientais, económicas e técnicas que contribuam para o desenvolvimento da indústria láctea em Portugal...

Calendário

Seg. Ter. Qua. Qui. Sex. Sáb. Dom.
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30

Próximos Eventos

Não existem eventos programados!

Redes Sociais

Top
ATENÇÃO: Este site apenas usa os cookies para lhe facilitar a navegação enquanto utilizador.