Alimentos considerados saudáveis fortalecidos pela pandemia

06 abril 2021

A pandemia afetou tudo o que está relacionado com a alimentação e as preferências dos consumidores, reforçando alguns produtos alimentares, como os vistos como saudáveis e ligados ao bem-estar.

Assim o atesta a Puratos, com o Taste Tomorrow, um estudo de tendências de consumo que quantifica as alterações nas atitudes dos consumidores e no comportamento de compra em confinamento.

O estudo, realizado em 13 países, apenas duas semanas após o relaxamento das medidas de confinamento, mostrou que os consumidores consideram que uma alimentação saudável pode ser um complemento para preservar a sua saúde, em momentos de incerteza quanto à mesma.

Por exemplo, 65% dos consumidores espanhóis garantem que a sua lista de compras incluirá produtos alimentares percebidos como mais saudáveis, apostando, nesta ordem, em referências com fibra, menos açúcar e em grãos e sementes.

Produtos mais naturais
A análise evidenciou que, em termos de produtos, os consumidores optam pela naturalidade e pelos sabores mais básicos e que perceberem como mais saudáveis. Na verdade, preço, naturalidade e higiene estão entre os critérios mais importantes de compra para o consumidor, atrás do sabor e da frescura.

O preço, em tempos de incerteza económica e de saúde, pode parecer um fator determinante, mas a verdade é que a maioria não procura o produto mais barato.

Canais de compra
Quanto aos canais, traduz-se a confiança do consumidor nos produtos alimentares locais. De acordo com o estudo, por exemplo, 59% dos espanhóis considera um produto local mais autêntico, 58% confia mais se for feito com produtos locais e 56% considera esses produtos mais saudáveis. Nesse sentido, 63% dos consumidores estaria disposto a pagar muito mais por esse produto.

O canal online e a entrega ao domicílio são os outros canais claramente vencedores. A obrigação de ficar em casa faz com que os consumidores esperem mais soluções que se adaptem às medidas impostas. De facto, 29% dos entrevistados afirma que vai pedir comida pela Internet e, nessa linha, 61% considera que todos os restaurantes e lojas devem servir os seus produtos em casa.

FONTE: Revista Grande Consumo

Associadas

Parcerias

Objectivos

‘‘Os objectivos da ANIL centram-se na defesa dos interesses e representação do sector, no acompanhamento das matérias legislativas, normativas, ambientais, económicas e técnicas que contribuam para o desenvolvimento da indústria láctea em Portugal...

Calendário

Seg. Ter. Qua. Qui. Sex. Sáb. Dom.
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30

Próximos Eventos

Não existem eventos programados!

Redes Sociais

Top
ATENÇÃO: Este site apenas usa os cookies para lhe facilitar a navegação enquanto utilizador.