Reino Unido quer banir anúncios de fast food antes das 21h

21 março 2019

Anúncios de junk food na TV e online podem ser banidos antes das 21h, como parte dos planos do governo do Reino Unido para combater a “epidemia” da obesidade infantil.

Os planos foram lançados para consulta pública numa tentativa de combater a crescente crise, segundo o Departamento de Saúde e Assistência Social (DHSC). Uma em cada três crianças deixa a escola primária com excesso de peso ou obesidade e o número de crianças classificadas como gravemente obesas está em nível recorde.

O vice-líder Trabalhista, Tom Watson, atacou a promoção do McDonald’s como um “truque grotesco de marketing”, que, segundo ele, incentiva o excesso de consumo, rotulando-o de “perigo para a saúde pública” no Twitter. Watson escreveu ao McDonald’s do Reino Unido pedindo que a competição, que deve começar esta semana, seja cancelada.

“É inaceitável que esta campanha tenha como objetivo manipular as famílias para que comam junk food com mais frequência e em grandes quantidades, com a fraca esperança de ganhar umas férias, um carro ou um prémio em dinheiro”, escreveu.

Ativistas, médicos e políticos receberam bem o anúncio sobre a proibição de publicidade proposta. Jamie Oliver, chef, disse: “Se não encontrarmos maneiras eficazes de melhorar a saúde dos nossos filhos, as crianças do Reino Unido terão uma vida mais curta do que os seus pais. É um facto que as crianças são altamente influenciadas por anúncios de junk food“.

Os anúncios de alimentos ricos em gordura, açúcar e sal serão consultados, com a proposta de proibição antes das 21h00 que afeta programas de TV, sites de streaming online e empresas de comunicação social social, segundo o The Independent.

Anúncios de junk food durante programas de TV infantil foram proibidos desde 2007, mas o estudo feita pela agência de radiodifusão Ofcom afirmou que os jovens passam 64% do seu tempo a ver programas de televisão que não são para a sua idade.

O ministro da Saúde Pública, Steve Brine, disse: “O NHS já está a preparar-se para tratar mais crianças dos graves efeitos da obesidade extrema no futuro, por isso temos o dever de abordar as causas subjacentes porque acreditamos apaixonadamente no nosso NHS”. Espera-se que mais de mil crianças por ano necessitem de tratamento para problemas graves relacionados à obesidade, como diabetes e asma, até 2022/2023.

Russell Viner, presidente do Royal College of Pediatrics and Child Health, disse que queria que “fosse implementado o mais rápido possível”. A líder conjunta do Partido Verde, Caroline Lucas, disse: “Esta é agora a primeira geração de crianças que viverá vidas mais curtas do que os seus pais”.

As empresas de confeções e bebidas açucaradas gastam 167 milhões de euros por ano em publicidade, em comparação com apenas 5,8 milhões gastos anualmente pelo governo em campanhas de alimentação saudável, segundo a Obesity Health Alliance.

A proibição proposta não afetará anúncios de alimentos básicos como manteiga, azeite de oliva ou carne. Assistir a um anúncio extra de junk food por semana, além da média de seis, leva as crianças a consumirem 18 mil calorias extras por ano.

O estudo estimou que as calorias adicionais são o equivalente a cerca de 70 barras de chocolate Mars ou 60 cheeseburgers – e pode chegar a um ganho de peso de 2,3 quilos anualmente.

FONTE: ZAP.aeiou

Associadas

Parcerias

Objectivos

‘‘Os objectivos da ANIL centram-se na defesa dos interesses e representação do sector, no acompanhamento das matérias legislativas, normativas, ambientais, económicas e técnicas que contribuam para o desenvolvimento da indústria láctea em Portugal...

Calendário

Redes Sociais

Top
ATENÇÃO: Este site apenas usa os cookies para lhe facilitar a navegação enquanto utilizador.
Saiba mais sobre cookies OK Decline