Imposto Coca-Cola rende menos 10 milhões do que o esperado

05 fevereiro 2018

Até dezembro o imposto sobre os refrigerantes fez entrar 69,6 milhões de euros nos cofres do Estado. Valor fica aquém do objetivo de 80 milhões.

Entre fevereiro (mês em que entrou em vigor) e dezembro do ano passado, o imposto sobre as bebidas açucaradas rendeu 69,6 milhões de euros. O valor fica aquém do objetivo estabelecido no Orçamento do Estado para 2017 (OE2017), que apontava para uma receita de 80 milhões de euros.

O gabinete de Mário Centeno afirma que estes quase 70 milhões correspondem a "valores reais cobrados líquidos (deduzidos de reembolsos e de transferências para as regiões autónomas) ".

Os dados do ministério das Finanças mostram que a receita é maior no verão indo ao encontro da ideia de que o consumo de refrigerantes é maior nos meses de calor e menor no inverno:

No OE2017, o governo defendeu o "alargamento da tributação especial do consumo às bebidas açucaradas (incluindo as bebidas com outros edulcorantes), seguindo as recomendações da Organização Mundial de Saúde", argumentando que essa tributação "reduz o consumo de açúcar, especialmente nas crianças", e diminui os custos dos sistemas de saúde.

Após o anúncio da tributação que acabou por ficar conhecida como o "imposto Coca-Cola", a empresa que inspirou o título contestou a medida, alegando inconstitucionalidade, mas sem sucesso.

Entre fevereiro e julho, o consumo de bebidas açucaradas caiu 25%. Não existem ainda dados para o resto do ano.

O imposto incide sobre as bebidas açucaradas com menor valor nutricional, ficando isentos os sumos de frutas e néctares, bem como as bebidas lácteas.

A taxa aplicada ao imposto tem dois "escalões": 8,22 euros por cada 100 litros nas bebidas cujo teor de açúcar seja inferior a 80 gramas por litro, e 16,46 euros por hectolitro para as bebidas cujo teor de açúcar seja igual ou superior àquele limite.

FONTE: TSF

Associadas

Parcerias

Objectivos

‘‘Os objectivos da ANIL centram-se na defesa dos interesses e representação do sector, no acompanhamento das matérias legislativas, normativas, ambientais, económicas e técnicas que contribuam para o desenvolvimento da indústria láctea em Portugal...

Calendário

Próximos Eventos

Redes Sociais

Top
Cookies make it easier for us to provide you with our services. With the usage of our services you permit us to use cookies.
More information