Híperes aumentam na caixa preços das prateleiras

12 setembro 2022

A Autoridade de Segurança Alimentar e Económica (ASAE) apanhou vários hipermercados a cobrar na caixa preços mais elevados do que aqueles que têm nas prateleiras e publicitam no estabelecimento. Já abriu pelo menos cinco processos para multar os retalhistas, tendo esta situação sido detetada no Sul, Centro e Norte do pais, explicou ao JN o inspetor-geral, Pedro Portugal Gaspar.

As inconformidades legais foram encontradas numa operação mais alargada junto de grandes superfícies e supermercados, que visa sobretudo apurar se há aumento especulativo de pregos e em que momento da cadeia de valor. Já envolveu, em dois dias, mais de uma centena de retalhistas de todo o pais, segundo o inspetor-geral da ASAE.

Quanto aos processos levantados por esta autoridade para aplicação de sanções pecuniárias, após verificada a cobrança em caixa mais elevada face aos preços que exibem nas lojas, Pedro Portugal Gaspar explicou haver mais casos no Sul e no Centro do que no Norte. E avançou que todos eles reportam a grandes superfícies.

FALTA ANÅLISE DETALHADA
A ASAE iri analisar as causas deste aumento, desde logo se houve efetivamente uma especulação dos preços ou algum erro técnico.

Deste modo, quando o Governo espera pela investigação sobre eventuais ganhos excessivos dos retalhistas, a ASAE centra agora a sua análise nas grandes superfícies e supermercados para averiguar se existe, de facto, aumentos dentro da cadeia de valor e se configuram especulação.

Questionado pelo JN sobre conclusões já retiradas perante estes aumentos, o inspetor-geral ressalvou que ainda não é possível adiantar resultados. "Haverá uma análise detalhada e "documental", explicou o responsável pela segurança alimentar e económica.

Essa análise da ASAE visa apurar as razões para as subidas mais acentuadas no preso dos produtos e "em que momento da cadeia de valor" acontecem. Pedro Portugal Gaspar admitiu, a título de exemplo, que podem incidir no custo inicial das matérias-primas.

A propósito da operação desta semana, que pode durar dois dias ou mais, o inspetor-geral da ASAE recordou que esta autoridade tem feito a monitorização do mercado ao longo dos últimos meses para acompanhar os preços dos cabazes, que têm sofrido oscilações.

Já vinha de trás
Aquele processo "já vinha de trás, com a covid-19", sublinhou ainda ao JN.

Agora, partindo da informação já recolhida nos últimos meses, a nova operação junto dos retalhistas servirá de base para uma análise mais aprofundada dos preços praticados nos hipermercados e supermercados.

Pedro Portugal Gaspar destacou também a monitorização relativamente aos postos de abastecimento de gasóleo e gasolina, recordando as práticas especulativas que foram detetadas. Houve situações em que já estava a ser cobrado combustível antes de os clientes começarem a abastecer.

FONTE: Jornal de Noticias

Associadas

Parcerias

Objectivos

‘‘Os objectivos da ANIL centram-se na defesa dos interesses e representação do sector, no acompanhamento das matérias legislativas, normativas, ambientais, económicas e técnicas que contribuam para o desenvolvimento da indústria láctea em Portugal...

Calendário

Seg. Ter. Qua. Qui. Sex. Sáb. Dom.
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30

Próximos Eventos

Não existem eventos programados!

Redes Sociais

Top
ATENÇÃO: Este site apenas usa os cookies para lhe facilitar a navegação enquanto utilizador.