Maior acordo comercial do mundo já está em vigor e promete revolucionar trocas no Pacífico

05 janeiro 2022

Parceria Económica Abrangente Regional entrou em vigor a 1 de janeiro. Acordo cria uma zona livre de comércio, que abrange 15 países da Ásia-Pacífico e promete vários benefícios aos signatários, entre os quais a redução de até 92% das taxas alfandegárias.

O maior acordo comercial do mundo já está em vigor. Chama-se Parceria Económica Abrangente Regional (RCEP, na sigla em inglês) e foi assinado por 15 países da Ásia-Pacífico. Ao todo, engloba cerca de um terço da população mundial e é visto como uma vitória geopolítica da China na liberalização do comércio, apesar da incerteza provocada pela covid-19.

O acordo entrou formalmente em vigor a 1 de janeiro deste ano. Na prática, cria uma zona livre de comércio, que abrange a China, Japão, Coreia do Sul, Nova Zelândia e Austrália e outras dez economias do Sudeste Asiático (Indonésia, Tailândia, Singapura, Malásia, Filipinas, Vietname, Birmânia, Camboja, Laos e Brunei). Assim, o RCEP cobre mais de 30% da população e da riqueza produzida em todo o mundo.

Assinado em novembro de 2020, o mega acordo comercial resulta de vários anos de negociações que começaram em 2012, com a China a apresentar uma proposta de uma aliança no Pacífico para dar resposta aos planos do então presidente norte-americano Barack Obama de avançar com o Acordo Transpacífico (TPP, sigla em inglês).

O TPP de Barack Obama acabou por ser descartado pelo seu sucessor, Donald Trump, mas ainda assim a China não desistiu dos planos para implementar o RCEP.

"Vitória" para a China com "benefícios" para a região
O acordo é encarado como "um grande passo para a liberalização do comércio e dos investimentos" na Ásia-Pacífico e assegura vários benefícios aos signatários, entre os quais a redução de até 92% das taxas alfandegárias nas trocas comerciais, o acesso facilitado a um mercado abrangente de países importadores e exportadores e mais certezas sobre os investimentos realizados.

"O RCEP é um sinal importante para o resto do mundo de que os países membros veem a integração e a colaboração como uma forma importante de continuar a impulsionar o crescimento económico da região", defende o ministro do Comércio de Singapura, Gan Kim Yong, em citado pela CNBC.

Apesar de a covid-19 ter provocado contrangimentos com a escassez de mão de obra e dos principais componentes e matérias-primas, Gan Kim Yong está confiante de que o RCEP irá contribuir para que as cadeias de abastecimento se tornem "mais resilientes" e trará benefícios económicos significativos para a região.

Mas nem todos os países da região concordam com as mais-valias do acordo, como é o caso da Índia. O país tinha dado inicialmente sinais de querer aderir ao acordo comercial mas acabou por se retirar posteriormente, com receio de que a entrada massiva de produtos chineses baratos pudesse prejudicar o seu mercado interno.

FONTE: Jornal de Negócios

Associadas

Parcerias

Objectivos

‘‘Os objectivos da ANIL centram-se na defesa dos interesses e representação do sector, no acompanhamento das matérias legislativas, normativas, ambientais, económicas e técnicas que contribuam para o desenvolvimento da indústria láctea em Portugal...

Calendário

Seg. Ter. Qua. Qui. Sex. Sáb. Dom.
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

Próximos Eventos

Não existem eventos programados!

Redes Sociais

Top
ATENÇÃO: Este site apenas usa os cookies para lhe facilitar a navegação enquanto utilizador.