Futuro do retalho alimentar é digital

28 abril 2021

O futuro do retalho alimentar é digital, assim o diz a eMarketer, que lançou, recentemente o estudo “10 Key Digital Trends for 2021”, e onde, entre outras conclusões, destaca que, na venda online de alimentos, a experimentação evolui para um hábito de consumo.

Em 2020, o comércio eletrónico, e particularmente no alimentar, cresceu significativamente, fruto da pandemia. Dando como exemplo o mercado norte-americano, a consultora indica que os alimentos e bebidas foram, de longe, as categorias que mais cresceram, ao nível do e-commerce, no ano passado. Nesse sentido, dada a sua ainda relativamente baixa penetração e elevado crescimento das vendas, o alimentar será a próxima grande próxima oportunidade no e-commerce.

Maior frequência
Apesar de considerar que alguns comportamentos poderão regredir, a eMarketer perspetiva que, em 2021, muitos consumidores comprem online os seus alimentos e demais mercearia com maior frequência. A começar, devido à duração que já leva a crise pandémica. Passado mais de um ano desde o seu início, houve já tempo para que os consumidores consolidassem os novos hábitos, como a compra online. Citando, uma vez mais dados do mercado norte-americano, a eMarketer nota que 58% dos shoppers manifesta-se confortável com a utilização de ferramentas digitais nas suas compras de base alimentar, percentagem que sobe para 71% entre a Geração Z e os Millennials.

De acordo com a consultora, outro dos motivos por que as compras de alimentos online serão mais frequentes reside no facto de ser uma experiência positiva para o consumidor médio. Não só permite poupar tempo, como é percecionada como mais segura e, ainda, quando se opta pela entrega ao domicílio, permite economizar nos combustíveis e em parqueamento.

Passa a palavra
Tendo em conta as experiências positivas, o “passa a palavra” funcionará também como uma alavanca para encorajar outros consumidores a testarem as compras de alimentos online, em 2021. Só nos Estados Unidos da América, o número de compradores de alimentos online irá crescer dos 131,6 milhões, de 2020, para 137,9 milhões, em 2021. Mais 4,8%. Entre 2019 e 2020, este número cresceu 42,6%.

De igual modo, neste mesmo mercado, as vendas de alimentos online irão crescer 17,8%, este ano, o que significa que os shoppers irão comprar mais 11% do que em 2020.

FONTE: Revista Grande Consumo

Associadas

Parcerias

Objectivos

‘‘Os objectivos da ANIL centram-se na defesa dos interesses e representação do sector, no acompanhamento das matérias legislativas, normativas, ambientais, económicas e técnicas que contribuam para o desenvolvimento da indústria láctea em Portugal...

Calendário

Seg. Ter. Qua. Qui. Sex. Sáb. Dom.
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

Próximos Eventos

Não existem eventos programados!

Redes Sociais

Top
ATENÇÃO: Este site apenas usa os cookies para lhe facilitar a navegação enquanto utilizador.