Exportações recuperam em novembro

11 janeiro 2021

Excluíndo combustíveis as vendas de mercadorias ao exterior subiram em novembro, mês em que as compras de produtos voltaram a registar uma evolução mais negativa, o que resultou numa melhoria no défice comercial.

As exportações de bens baixaram 0,4% em novembro, mantendo a toada de recuperação registada desde o verão. A descida ligeira de novembro compara com a queda de 2,3% de outubro e a subida de 0,2% de setembro (único mês desde o início da pandemia com variação positiva).uíndo combustíveis as vendas de mercadorias ao exterior subiram em novembro, mês em que as compras de produtos voltaram a registar uma evolução mais negativa, o que resultou numa melhoria no défice comercial.

Já as importações desceram de forma mais acentuada, o que permitiu uma nova descida no défice da balança comercial. As compras de bens ao estrangeiro desceram 12,1% em novembro, o que representa a queda mensal mais forte desde julho.

Retirando os combustíveis da análise, as exportações registaram mesmo a melhor variação mensal de 2020, com um crescimento de 2,7% para quase 5 mil milhões de euros. Já as importações sem combustíveis caíram 4,9%.

Tendo em conta esta evolução, o défice da balança comercial de bens diminuiu 820 milhões de euros face ao mês homólogo de 2019, atingindo 888 milhões de euros em novembro de 2020.

Este défice comercial mensal é o segundo mais baixo de 2020, tendo sido apenas mais reduzido em julho (794 milhões de euros). Em todos os meses de 2019 (e alguns do ano passado), o défice comercial mensal foi sempre superior a mil milhões de euros.

Três meses acima de 5 mil milhões
A confirmar que as empresas exportadoras estão a mostrar resistência face ao impacto da pandemia, novembro foi o terceiro mês seguido em que o volume de bens vendido ao exterior superou os 5 mil milhões de euros. Tal não tinha ainda acontecido no ano passado e também não se verificou em 2019.

No contributo para a evolução em novembro o INE destaca os decréscimos nas exportações e nas importações de combustíveis e lubrificantes (-42,9% e -47,5%, respetivamente) e nas importações de material de transporte (-35,3%), sobretudo aviões.

No que diz respeito às trocas comercias com os principais parceiros, as exportações caíram 7,9% para a Alemanha, 26,3% para Angola e 11,7% para os EUA. Pela positiva subiram 3% para Espanha, que continua de longe a ser o principal destino das exportações portuguesas.

Nas importações, Portugal comprou menos 0,9% a Espanha, 18,2% à Alemanha e 34,4% a França. Variações positivas só nas importações dos Países Baixos, Reino Unido e Rússia.

FONTE: Jornal de Negócios

Associadas

Parcerias

Objectivos

‘‘Os objectivos da ANIL centram-se na defesa dos interesses e representação do sector, no acompanhamento das matérias legislativas, normativas, ambientais, económicas e técnicas que contribuam para o desenvolvimento da indústria láctea em Portugal...

Calendário

Seg. Ter. Qua. Qui. Sex. Sáb. Dom.
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

Próximos Eventos

Não existem eventos programados!

Redes Sociais

Top
ATENÇÃO: Este site apenas usa os cookies para lhe facilitar a navegação enquanto utilizador.