Comércio internacional irá contrair entre 10% e 16%

10 julho 2020

Devido ao impacto do novo coronavírus, o comércio internacional deverá diminuir entre 10% e 16%, em 2020.

As previsões são de Matthias Jørgensen, chefe para a América Latina da unidade de Comércio da União Europeia, que adiantou, ainda, que as exportações deverão experimentar uma redução entre 9% e 15%, enquanto as importações de países não pertencentes à Europa deverão diminuir entre 11% e 14%.

Durante a jornada intitulada “O comércio internacional e o seu papel na saída da crise da Covid-19”, celebrada para dar a conhecer a agenda comercial da União Europeia e o papel do comércio internacional na recuperação económica, Matthias Jørgensen explicou que o multilateralismo e as cadeias de valor globais são fundamentais para fazer face a esta crise económica derivada da pandemia, assim como a futuras crises, de uma maneira coordenada e integrada, tal como é a aposta da União Europeia.

Revisão da política comercial europeia
Nesse sentido, Matthias Jørgensen apelou à participação na consulta pública, aberta até 15 de setembro, para a revisão da política comercial europeia. Sob um modelo de “autonomia estratégica aberta”, Bruxelas considera que a União Europeia deve reforçar a sua capacidade para defender os seus interesses de forma independente e assertiva, mas jamais de maneira isolada ou protecionista.

Simultaneamente, considera-se que a União Europeia tem de se defender ainda melhor das práticas desleais, como, por exemplo, as ajudas de estado ilegítimas ou a não reciprocidade no acesso a compras públicas.

Durante a jornada, foram salientadas as vantagens dos recentes acordos comerciais celebrados com Singapura, em vigor desde novembro de 2019, e com o Vietname, em vigor a partir de agosto, assim como daqueles que estão pendentes de ratificação, como com o México e o Mercosur. Entre as vantagens inclui-se a forte redução ou eliminação de praticamente todas as tarifas, menos custos e perda de tempo através de reconhecimentos mútuos, como certificações ou normas técnicas, assim como a facilitação dos investimentos e abertura das licitações públicas a empresas europeias.

De igual modo, destacou-se o facto dos acordos comerciais respeitarem a legislação europeia vigente e defenderem uma globalização sujeita a regras, com especial foco na saúde pública, luta contra as alterações climáticas, condições laborais, standards fitossanitários, combate às falsificações e à corrupção.

FONTE: Revista Grande Consumo

Associadas

Parcerias

Objectivos

‘‘Os objectivos da ANIL centram-se na defesa dos interesses e representação do sector, no acompanhamento das matérias legislativas, normativas, ambientais, económicas e técnicas que contribuam para o desenvolvimento da indústria láctea em Portugal...

Calendário

Seg. Ter. Qua. Qui. Sex. Sáb. Dom.
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

Próximos Eventos

Não existem eventos programados!

Redes Sociais

Top
ATENÇÃO: Este site apenas usa os cookies para lhe facilitar a navegação enquanto utilizador.