Empresas exportadoras estão a resistir melhor à pandemia

30 abril 2020

Em comparação com as não exportadoras, há mais empresas com perfil exportador a manter o funcionamento, com quedas menores do volume de negócios e menor recurso ao lay-off.

As empresas com perfil exportador estão a resistir melhor ao impacto económico da pandemia em comparação com as que não têm essa vocação. Não só as exportadoras conseguiram manter-se mais em funcionamento como as diminuições do volume de negócios foram menores. Além disso, têm recorrido menos ao lay-off, de acordo com o inquérito semanal do Instituto Nacional de Estatística (INE) e do Banco de Portugal (BdP), divulgado esta terça-feira, que acompanha o impacto do vírus nas empresas.

Os resultados do segundo inquérito, que abrange a semana passada (20 e 24 de abril) e inclui respostas de 5,8 mil empresas representativas do tecido empresarial, mostram que, no geral, as exportadoras apresentam indicadores mais favoráveis, em comparação as outras empresas, apesar de também estarem a sofrer significativamente. A começar logo pela percentagem de exportadoras que continua em funcionamento: 88% vs. 82% nas empresas sem perfil exportador.

Apesar de mais exportadoras referirem uma diminuição do volume de negócios (81% vs. 80%), em termos de dimensão a redução verificada nas exportadoras é inferior à das restantes empresas. De notar ainda que “o recurso ao lay off simplificado foi assinalado por 47% destas empresas (57% nas empresas sem perfil exportador)”.

A pandemia também obrigou uma menor percentagem de exportadoras a alterarem ou reforçarem os canais de distribuição ou a modificarem a sua produção. As empresas com perfil exportador estão a ser menos condicionadas pelas restrições do estado de emergência e mais pelos problemas na cadeia de fornecimento, em comparação com as outras empresas, o que deverá refletir a dependência significativa das exportadoras de importações de outros países para produzir os seus bens.

Apesar de recorrerem menos ao lay-off, há uma maior percentagem de exportadoras a reportar reduções do pessoal ao serviço (62% vs. 58%). Porém, tal como acontece no volume de negócios, a dimensão das reduções é mais baixa do que no resto das empresas.

As exportadoras têm recorrido mais ao crédito (15%), à moratória ao pagamento de juros e capital de créditos já existentes (40%) e ao acesso a novos créditos com juros bonificados e garantias do Estado (47%).

Para serem consideradas exportadoras, as empresas têm de apresentar 50% do volume de negócios proveniente de exportações de bens e serviços ou pelo menos 10% do volume de negócios se o valor for superior a 150 mil euros. As empresas que não preencham estes requisitos são consideradas não exportadoras.

“É importante referir que os resultados deste inquérito referem-se exclusivamente às empresas respondentes em cada semana de inquirição, que ainda assim constituem uma massa significativa do tecido empresarial (cerca de 5,8 mil na terceira semana)”, nota o INE e o BdP, explicando que “estas empresas correspondem basicamente a uma amostra representativa subjacente ao cálculo e compilação dos índices de volume de negócios setoriais mensalmente publicados pelo INE”.

FONTE: ECO Economia Online

Associadas

Parcerias

Objectivos

‘‘Os objectivos da ANIL centram-se na defesa dos interesses e representação do sector, no acompanhamento das matérias legislativas, normativas, ambientais, económicas e técnicas que contribuam para o desenvolvimento da indústria láctea em Portugal...

Calendário

Seg. Ter. Qua. Qui. Sex. Sáb. Dom.
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

Próximos Eventos

Não existem eventos programados!

Redes Sociais

Top
ATENÇÃO: Este site apenas usa os cookies para lhe facilitar a navegação enquanto utilizador.