Investimento das empresas vai aumentar menos do que em 2018

10 julho 2019

A "deterioração das perspetivas de venda" é o principal fator que está a limitar o investimento das empresas portuguesas.

As empresas portuguesas contam voltar a aumentar o investimento ao longo de 2019, mas a um ritmo inferior ao registado no ano passado.

Segundo o Inquérito de Conjuntura ao Investimento, realizado pelo Instituto Nacional de Estatística, as intenções manifestadas pelas empresas apontam para um aumento nominal do investimento de 3,7% este ano.

O crescimento representa uma revisão em baixa face ao inquérito realizado em outubro e situa-se abaixo do aumento verificado em 2018. De acordo com a mesma fonte, no ano passado o investimento aumentou 4,7%, o que representa uma revisão em alta face ao perspetivado em outubro (+1,9%).

"Entre os objetivos do investimento, perspetiva-se, entre 2018 e 2019, um aumento do peso relativo do investimento orientado para a racionalização e reestruturação e para a extensão da capacidade de produção, com a consequente diminuição da importância relativa do investimento para outras finalidades e de substituição, continuando este último a ser, no entanto, o objetivo mais referido", refere o relatório do INE publicado esta terça-feira, 9 de julho.

No inquérito do INE, as empresas salientaram que "o principal fator limitativo do investimento em 2018 e 2019 foi a deterioração das perspetivas de venda, seguindo-se, em ambos os anos, a incerteza sobre a rentabilidade dos investimentos".

Pequenas empresas mais cautelosas
Na análise às intenções de investimento por dimensão das empresas, o INE identifica as que são responsáveis pela taxa de crescimento mais reduzida em 2019 quando compara com 2018.

"A desaceleração do investimento empresarial entre 2018 (4,7%) e 2019 (3,7%) é determinada principalmente pela evolução nas empresas pertencentes ao 3º escalão de pessoal ao serviço", que emprega entre 250 e 449 pessoas, que passam de crescimento de 8,7% em 2018 para uma quebra de 4,8% este ano.

Em 2018, apenas as empresas de pequena dimensão (1º escalão, com menos de 50 pessoas ao serviço) baixaram o investimento (-4%). Para este ano perspetiva-se uma queda ainda maior (-8,7%).

Em sentido contrário estão as empresas de maior dimensão. As do 4º escalão, que empregam 500 ou mais pessoas, que aumentaram o investimento em 7,5% em 2018 e para este ano estima-se nova subida (+17,1%).

O INE salienta ainda que as empresas exportadoras do setor industrial aumentaram o investimento em 12,8% no ano passado, mas contam reduzir em 2,9% este ano.

Entre as empresas inquiridas pelo INE, apenas 78,4% das empresas vai realizar investimentos e tem intenção de o fazer. Este indicador de difusão do investimento está em queda, pois atingiu 88,9% em 2017 e 81,3% em 2018.

FONTE: Jornal de Negócios

Associadas

Parcerias

Objectivos

‘‘Os objectivos da ANIL centram-se na defesa dos interesses e representação do sector, no acompanhamento das matérias legislativas, normativas, ambientais, económicas e técnicas que contribuam para o desenvolvimento da indústria láctea em Portugal...

Calendário

Seg. Ter. Qua. Qui. Sex. Sáb. Dom.
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

Redes Sociais

Top
ATENÇÃO: Este site apenas usa os cookies para lhe facilitar a navegação enquanto utilizador.
Saiba mais sobre cookies OK Decline