Vendas online de bens de grande consumo vão crescer 66%

14 junho 2019

A disrupção digital está a potenciar o grande crescimento, a nível mundial, das compras online de bens de grande consumo, mas o aparecimento de novos modelos de e-commerce e de novos ecossistemas está a forçar os operadores a uma profunda e rápida adaptação.

De acordo com as contas da IGD, em 2023, o mercado online de Fast Moving Consumer Goods (FMCG) irá crescer 66% na Europa, para os 47 mil milhões de euros. A quota de mercado do e-commerce nos FMCG será de 2,5% a nível europeu, valor que compara com os 1,8% de 2018. Mas, apesar do forte desempenho na Europa, na América do Norte e na Ásia antecipam-se crescimentos ainda maiores, de, respetivamente, 152% e 196%. “A digitalização no alimentar e nos bens de grande consumo já causou disrupção e transformou estes sectores, mas ainda está tudo apenas a começar”, alerta Susan Barratt, CEO da IGD, que acredita que os retalhistas terão de trabalhar mais e mais rápido para limitar o impacto dos especialistas online e dos novos ecossistemas ou para concorrer com os mesmos.

A IGD prevê que a importância de parcerias estratégicas entre retalhistas e empresas de tecnologia irá aumentar rapidamente, de modo a reduzir a diferença para os chamados “pure players”. A inteligência artificial irá transformar as relações comerciais entre os retalhistas e os seus fornecedores. Os operadores mais avançados conseguirão diversificar o negócio de modo a tornarem-se menos dependentes da venda de produtos.

A consultora fala da chegada do e-commerce 2.0, com novos modelos de vendas mais criativos. Os “pure players” estão a abrir as suas próprias lojas físicas ou a estabelecer alianças com retalhistas tradicionais e cada vez mais fabricantes estão a começar a vender diretamente aos consumidores, através de plataformas de encomendas conjuntas ou de marketplaces. De acordo com a IGD, alguns operadores logísticos tornar-se-ão retalhistas e o social commerce ganhará preponderância.

De igual modo, irão aparecer novos ecossistemas, agrupando os serviços de retalho e de consumo aos logísticos e financeiros e à tecnologia. Através da centralização dos dados e da utilização de tecnologia avançada, estes ecossistemas irão beneficiar de informações em tempo real sobre o comportamento dos consumidores, permitindo-lhes adaptar-se rapidamente à mudança.´

FONTE: Revista Grande Consumo

Associadas

Parcerias

Objectivos

‘‘Os objectivos da ANIL centram-se na defesa dos interesses e representação do sector, no acompanhamento das matérias legislativas, normativas, ambientais, económicas e técnicas que contribuam para o desenvolvimento da indústria láctea em Portugal...

Calendário

Redes Sociais

Top
ATENÇÃO: Este site apenas usa os cookies para lhe facilitar a navegação enquanto utilizador.