Exportações chinesas para EUA aceleram

08 novembro 2018

Está marcado para este mês um encontro entre Donald Trump e o seu homólogo chinês, Xi Jinping, mas do qual se esperam poucos resultados.

As exportações chinesas para os Estados Unidos aumentaram, em Outubro, à medida que as fábricas do país apressam a entrega de ordens para evitar o aumento das taxas alfandegárias impostas pelo Presidente norte-americano, Donald Trump.

Dados das alfândegas chinesas hoje publicados revelam que as exportações para os EUA subiram 13,3%, face ao mesmo mês do ano passado, para 42,7 mil milhões de dólares, acima da subida homóloga de 13%, registada em Setembro.

No mesmo mês, as importações pela China de bens norte-americanos aumentaram 8,5%, para 10,9 mil milhões de dólares, depois de terem crescido 9%, em Setembro.

O superavit chinês nas trocas comerciais com os EUA fixou-se assim nos 31,8 mil milhões de dólares, depois do valor recorde atingido em Setembro, de 34,1 mil milhões.

Economistas do banco de investimento ING consideram que os exportadores chineses estão a tentar colmatar a subida de taxas alfandegárias nos EUA, que entram em vigor em Janeiro, prevendo que o encontro entre Trump e o homólogo chinês, Xi Jinping, marcado para este mês, na Argentina, não produzirá resultados positivos.

Os governos das duas maiores economias do mundo impuseram já taxas alfandegárias sobre centenas de milhares de milhões de dólares das exportações de cada um.

Em causa está a política de Pequim para o sector tecnológico, nomeadamente o plano "Made in China 2025", que visa transformar as firmas estatais do país em importantes atores globais em sectores de alto valor agregado, como inteligência artificial, energia renovável, robótica e carros eléctricos.

Os EUA consideram que aquele plano, impulsionado pelo Estado chinês, viola os compromissos da China em abrir o seu mercado, nomeadamente ao forçar empresas estrangeiras a transferirem tecnologia e ao atribuir subsídios às empresas domésticas, enquanto as protege da competição externa.

As autoridades norte-americanas temem ainda perder o domínio industrial global para um país visto como rival estratégico, e cujo crescente poder na Ásia tem causado erosão na influência dos EUA na região.

China segura valor do yuan
Outros dados conhecidos hoje mostram que a China gastou quase 32 mil milhões de dólares das suas reservas cambiais para evitar a queda da moeda chinesa, em Outubro, a maior intervenção em quase dois anos, após o yuan recuar quase 10% desde Abril.

As informações divulgadas pela Administração Estatal de Divisas revelam que as reservas cambiais da China, as maiores do mundo caíram, em Outubro, de 3,087 biliões de dólares para 3,053 biliões.

Excluindo efeitos de valorização, os dados indicam uma intervenção das autoridades de 32 mil milhões de dólares, para segurar o valor do yuan, a maior desde Janeiro de 2017.

Os números atenuam preocupações de que Pequim poderia recorrer a uma desvalorização cambial deliberada, visando estimular as exportações, numa altura de tensões comerciais com Washington.

FONTE: Público

 

Associadas

Parcerias

Objectivos

‘‘Os objectivos da ANIL centram-se na defesa dos interesses e representação do sector, no acompanhamento das matérias legislativas, normativas, ambientais, económicas e técnicas que contribuam para o desenvolvimento da indústria láctea em Portugal...

Calendário

Redes Sociais

Top
ATENÇÃO: Este site apenas usa os cookies para lhe facilitar a navegação enquanto utilizador.
Saiba mais sobre cookies OK Decline