Comércio tradicional gera menos resíduos que os supermercados

17 março 2021

Os estabelecimentos de comércio tradicional geram cerca de 60% menos resíduos que os supermercados, indica um estudo da EAE Business School.

Os produtos mais desperdiçados, em 2020, foram as frutas (30,8%), as verduras (13,5%) e os lacticínios (12,6%). Para acabar no lixo, os alimentos ou não cumprem com os standards de venda, pela sua forma ou dimensão, por exemplo, ou veem o seu prazo de validade terminado.

“Nos países desenvolvidos, a maior parte da comida é desperdiçada na última fase da cadeia de abastecimento. Identificou-se uma correlação supermercado-consumidor final. Um supermercado, independentemente da sua dimensão gera uma grande quantidade de resíduos, tanto pelo seu tipo de atividade como pela variedade do stock que mantém e a necessidade de evitar os custos para a sua imagem que acarretam as ruturas. Num dia de trabalho, devem gerir resíduos orgânicos, de plástico, de cartão, de vidro, de latas e bidões. Os supermercados têm um grande impacto sobre o desperdício alimentar, devido às mudanças sobre o que significam as datas de validade para a segurança alimentar, o que faz com que se desperdice uma grande quantidade de alimentos que ainda estão comestíveis”, assinala Elena Bulmer, coautora do estudo.

Economia circular
Não obstante, o estudo indica as práticas economia circular como fundamentais para a redução do desperdício. Desde políticas comerciais de redução dos preços que estão próximos do final da sua data de validade, a políticas solidárias como a doação de alimentos a organizações de solidariedade e aos próprios colaboradores.

Além disso, de acordo com Elena Bulmer, as próprias políticas de etiquetagem deveriam ser revistas de modo a evitar confusões sobre as datas de validade e custos económicos adicionais. “A consciencialização para o consumo racional nos lares é outro passo essencial para evitar o desperdício de alimentos”, acrescenta.

O estudo também destaca as questões da reciclagem das embalagens e o aumento da oferta de produtos vendidos a granel. Por último, uma gestão adequada dos resíduos orgânicos poderia permitir recuperar o valor acrescentado das quantidades restantes de desperdício alimentar.

FONTE: Revista Grande Consumo

Associadas

Parcerias

Objectivos

‘‘Os objectivos da ANIL centram-se na defesa dos interesses e representação do sector, no acompanhamento das matérias legislativas, normativas, ambientais, económicas e técnicas que contribuam para o desenvolvimento da indústria láctea em Portugal...

Calendário

Seg. Ter. Qua. Qui. Sex. Sáb. Dom.
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

Próximos Eventos

Não existem eventos programados!

Redes Sociais

Top
ATENÇÃO: Este site apenas usa os cookies para lhe facilitar a navegação enquanto utilizador.