Apoios "estão aquém ou muito aquém" do necessário

15 setembro 2020

A grande maioria das empresas (79%) continua a considerar que os apoios aprovados pelo Governo para combater a crise causada pela pandemia estão "aquém ou muito aquém" do que necessitam, revela um inquérito apresentado hoje pela CIP.

Os resultados do inquérito realizado em conjunto entre a CIP - Confederação Empresarial de Portugal e o Marketing FutureCast Lab do Instituto Universitário de Lisboa (ISCTE), no âmbito do projeto Sinais Vitais, tiveram em conta a resposta de 658 empresas maioritariamente dos setores da indústria e energia, serviços e comércio, sendo 75% micro ou pequenas empresas.

O documento refere que 42% das empresas pediram até 04 de setembro financiamento bancário e 75% já recebeu o empréstimo, enquanto 44% não pediu nem pensa pedir dinheiro ao banco e 14% pensa vir a pedir.

Até ao início do mês, 44% das empresas responderam que já recorreram ao 'lay-off' simplificado, mas nessa altura só 12% dos respondentes se encontrava em 'lay-off' ou em regimes de apoio extraordinário à retoma progressiva da atividade.

Destes 12%, a maioria (60%) estava abrangido pelo apoio extraordinário à retoma, 37% pelo 'lay-off' simplificado e apenas 3% pelo 'lay-off' tradicional (previsto no Código do Trabalho).

Apenas 17% de empresas recorreram, por sua vez, ao incentivo extraordinário à normalização da atividade empresarial, sendo que a maioria (64%) optou pela modalidade dos seis meses.

A opinião global é desfavorável à substituição do 'lay-off' simplificado pelo apoio extraordinário à retoma progressiva de atividade, com 32% das empresas a manifestarem-se "sem opinião".

O número de empresas em pleno funcionamento aumentou 20 pontos percentuais em dois meses para 84% em setembro e as parcialmente encerradas diminuíram para menos de metade (para 14%), enquanto 2% se mantiveram fechadas.

O barómetro mostra ainda que 19% das empresas viram o prazo de pagamento aumentar (em média, subiram 40 dias) em agosto face ao mês homólogo enquanto os prazos de recebimento caíram em 33% das empresas, com uma média de 40 dias, revelando que "a situação de tesouraria está a deteriorar-se".

FONTE: Notícias ao Minuto

Associadas

Parcerias

Objectivos

‘‘Os objectivos da ANIL centram-se na defesa dos interesses e representação do sector, no acompanhamento das matérias legislativas, normativas, ambientais, económicas e técnicas que contribuam para o desenvolvimento da indústria láctea em Portugal...

Calendário

Seg. Ter. Qua. Qui. Sex. Sáb. Dom.
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30

Próximos Eventos

Não existem eventos programados!

Redes Sociais

Top
ATENÇÃO: Este site apenas usa os cookies para lhe facilitar a navegação enquanto utilizador.