Empresas esperam manter força de trabalho igual a 2019

15 setembro 2020

A maioria das empresas que respondeu ao inquérito da CIP espera vender menos nos últimos quatro meses deste ano do que no mesmo período de 2019. Ainda assim, só 21% assumem que vão reduzir a força de trabalho face ao ano passado.

A maioria das empresas em Portugal espera manter o mesmo número de trabalhadores no período de setembro a dezembro deste ano, quando comparado com os mesmos quatro meses de 2019. A conclusão consta do estudo Sinais Vitais, um projeto da CIP - Confederação Empresarial de Portugal, em parceria com o Marketing FutureCast Lab do ISCTE, apresentado esta segunda-feira.

De acordo com o inquérito, 69% das empresas disse esperar manter a sua força de trabalho inalterada, apesar da crise provocada pela pandemia de covid-19. Só 21% das empresas assumem que deverão ter no final deste ano menos funcionários do que os que tinham no mesmo período do ano passado. Entre as empresas que admitem despedir, o corte médio esperado nos recursos humanos é de 27%. Os restantes 10% indicam que vão contratar face a 2019, antevendo uma subida de 14%.

A promessa de não reduzir o emprego surge apesar das más expectativas quanto às vendas. Depois de atravessado aquele que se espera que tenha sido o período mais agudo da crise – abril e maio, quando a economia esteve em confinamento, em estado de emergência e vários setores parados – as empresas antecipam uma recuperação relativamente lenta.

Quando questionadas sobre o impacto da crise nas vendas dos próximos meses, 61% disse antecipar uma queda. Em termos médios, o valor da redução prevista aponta para uma contração de 39% das vendas. Menos de um terço das inquiridas (27%) disse esperar manter o mesmo nível de vendas nos últimos quatro meses do ano, enquanto 12% afirmaram esperar uma subida (em média, de 22%).

Há 12% das empresas a afirmar que ainda estão a utilizar o lay-off e 17% a indicar que já recorreram ao incentivo extraordinário à normalização da atividade empresarial.

39% vai cortar o investimento para metade
O estudo indica ainda que 39% das empresas inquiridas preveem concretizar menos investimento este ano, do que em 2019. A queda, dizem os empresários em causa, é muito acentuada: 54% em termos médios.

Apenas 17% das empresas afirmam que chegarão ao final deste ano com níveis de investimento superiores aos de 2019, sendo a subida em média de 34%.

Ainda assim, analisando a evolução das suas vendas e prestação de serviços, muitas empresas (30% do total de inquiridos) indicam que em agosto, face aos níveis pré-pandemia, conquistaram novos clientes. Estes novos clientes representaram 15% das suas vendas, naquele mês.

O estudo foi realizado com base numa amostra de 658 empresas e apresenta uma margem de erro de 3,8%, para um intervalo de confiança de 95%.

FONTE: Jornal de Negócios

Associadas

Parcerias

Objectivos

‘‘Os objectivos da ANIL centram-se na defesa dos interesses e representação do sector, no acompanhamento das matérias legislativas, normativas, ambientais, económicas e técnicas que contribuam para o desenvolvimento da indústria láctea em Portugal...

Calendário

Seg. Ter. Qua. Qui. Sex. Sáb. Dom.
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30

Próximos Eventos

Não existem eventos programados!

Redes Sociais

Top
ATENÇÃO: Este site apenas usa os cookies para lhe facilitar a navegação enquanto utilizador.