Bruxelas vê economia crescer 1,7%

13 fevereiro 2020

A Comissão Europeia manteve hoje a estimativa de crescimento da economia portuguesa em 1,7% para este ano, duas décimas abaixo das previsões do Governo, bem como para 2021, de acordo com as previsões económicas de inverno hoje divulgadas.

Bruxelas estimou ainda em 0,4% o crescimento do Produto Interno Bruto (PIB), em cadeia, no último trimestre de 2019, prevendo que esse valor se mantenha nos três primeiros trimestres deste ano, até à subida para 0,5% no último trimestre de 2020.

Relativamente à inflação, a Comissão Europeia reviu em baixa a aceleração dos preços quer em 2020 quer em 2021, atualizando para 1,0% e 1,3%, respetivamente, diminuições em uma décima face às previsões feitas em novembro.

Para 2019 está mais otimista do que o Governo
Já relativamente ao ano passado, a Comissão Europeia manteve a estimativa de 2,0% de crescimento da economia portuguesa em 2019, uma décima acima das estimativas do Governo.

O Governo estima que em 2019 o crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) tenha sido de 1,9%, em linha com as previsões da OCDE, FMI e Conselho das Finanças Públicas. Apenas o Banco de Portugal previu, em dezembro de 2019, um crescimento de 2,0% da economia portuguesa para o ano passado.

As previsões da Comissão Europeia hoje conhecidas antecipam a publicação dos dados relativos ao Produto Interno Bruto de 2019 por parte do Instituto Nacional de Estatística (INE), que serão publicados na sexta-feira.

No documento hoje divulgado, Bruxelas assinala que o PIB de Portugal cresceu 1,9%, em termos homólogos, no terceiro trimestre de 2019, "o mesmo ritmo que no trimestre anterior mas moderando-se face aos 2,1% no primeiro trimestre do ano".

"A procura doméstica manteve um forte crescimento de cerca de 3%, refletindo um crescimento firme do consumo privado e uma recuperação pronunciada do investimento no início do ano, seguida de alguma moderação posterior", assinala a Comissão Europeia.

O executivo europeu destaca ainda que "as importações continuaram a crescer mais rápido do que as exportações, resultando numa contribuição líquida mais negativa para o crescimento".

"No entanto, as exportações recuperaram ligeiramente no terceiro trimestre e a sua percentagem no PIB aumentou. Do lado da oferta, a construção aumentou substancialmente em 8,4% nos primeiros três trimestres de 2019", assinala a entidade presidida por Ursula von der Leyen.

A Comissão menciona ainda que "os setores da agricultura e dos serviços também apoiaram o crescimento, enquanto a indústria contraiu 0,9% no mesmo período", e salienta que o seu indicador de sentimento económico "mostra uma pequena melhoria na atividade no último trimestre", e que "os dados do comércio externo também melhoraram, ajudados por alguma recuperação no setor industrial".

Nos próximos anos, Bruxelas prevê que "a procura doméstica permaneça como o principal fator" do crescimento, compensando a "influência negativa amplamente estável" da balança comercial.

FONTE: Noticias ao Minuto

Associadas

Parcerias

Objectivos

‘‘Os objectivos da ANIL centram-se na defesa dos interesses e representação do sector, no acompanhamento das matérias legislativas, normativas, ambientais, económicas e técnicas que contribuam para o desenvolvimento da indústria láctea em Portugal...

Calendário

Seg. Ter. Qua. Qui. Sex. Sáb. Dom.
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29

Próximos Eventos

Não existem eventos programados!

Redes Sociais

Top
ATENÇÃO: Este site apenas usa os cookies para lhe facilitar a navegação enquanto utilizador.