Desemprego encolhe. Taxa caiu para 7% em 2018

07 fevereiro 2019

O desemprego encolheu no ano passado. O Instituto Nacional de Estatística (INE) revela, que a taxa de desemprego caiu para 7% em 2018, abaixo dos 8,9% que tinham sido registados um ano antes. Este valor, que é o mais baixo desde 2004, fica também em linha (ainda que ligeiramente acima) com as previsões do Governo, que estimava que a taxa de desemprego se fixasse nos 6,9% em 2018.

Ao todo, revela o INE, contabilizaram-se 365,9 mil pessoas desempregadas no conjunto do ano passado, o que representa uma diminuição quase 21% face aos números de 2017. A população empregada, por seu lado, aumentou em mais de 2%, ultrapassando os 4,86 milhões de pessoas.

Também entre os jovens e os desempregados de longa duração a evolução é positiva. A taxa de desemprego jovem situou-se nos 20,3% no ano passado, menos 3,6 pontos percentuais do que em 2017, enquanto a proporção de desempregados de longa duração foi de 51%, o que representa uma diminuição de 6,4 pontos percentuais.

Feitas as contas, a taxa de desemprego manteve-se em 6,7% no quarto trimestre de 2018, o mesmo valor que já tinha sido registado no segundo e no terceiro trimestre, e acabou por se fixar em 7% no conjunto do ano de 2018. Este é o valor mais baixo desde 2004, ano em que a taxa de desemprego foi de 6,6%.

Já a taxa de emprego da população ativa a partir dos 15 anos aumentou para 55%, dos 53,7% registados em 2017. A taxa de subutilização do trabalho (que agrega a população desempregada, o subemprego de trabalhadores a tempo parcial, os inativos à procura de emprego mas não disponíveis e os inativos disponíveis mas que não procuram emprego) diminuiu de 16,5% para 13,7%.

Também os chamados “nem nem” estão a diminuir. Estes são os jovens entre os 15 e os 34 anos que não estão empregados nem estão em educação ou formação. Em 2018, eram 218,2 mil jovens nesta situação, menos 33 mil do que um ano antes, o que representa uma taxa de 9,9%, abaixo dos 11,2% registados em 2017.

Apesar da evolução positiva, indica ainda o INE, Portugal mantém-se aquém de dois dos objetivos Europa 2020, que definem metas de uma taxa de emprego de 75% para a população ativa dos 20 aos 64 anos; uma taxa de abandono precoce de educação de 10% e uma taxa de escolaridade do ensino superior de 33,5%. No ano passado, Portugal obteve, nestes três indicadores, taxas de 75,4% no emprego, 11,8% no abandono e 33,5% na escolaridade.

Centro tem a taxa mais baixa, Madeira a mais alta
A descida da taxa de desemprego foi generalizada por todo o país, mas com quedas mais acentuadas em algumas regiões. O Norte foi a que registou a diminuição mais acentuada, com a taxa a fixar-se em 7,3% nesta região no ano passado, valor que, ainda assim, fica acima da média nacional. Também a Área Metropolitana de Lisboa registou uma taxa acima da média nacional, de 7,4%.

Já a região Centro foi a que registou a taxa mais baixa, de 5,6% em 2018, valor que representa uma diminuição de 1,3 pontos percentuais face ao ano anterior.

As regiões autónomas, por seu lado, têm as taxas de desemprego mais elevadas do país, ainda que tenham conseguido diminuí-las. Os Açores registaram uma taxa de 8,6% no ano passado, enquanto a Madeira tem uma taxa de 8,8%.

Contratos sem termo aumentam
Tanto o número de contratos sem termo como o de contratos com termo registaram aumentos, mas a melhoria é mais expressiva no primeiro caso.

No ano passado, estavam empregadas 3,16 milhões de pessoas com contratos sem termos, mais 2,8% do que em 2017. Este valor representa já 65% do total da população empregada no ano passado. Esta proporção era de 64,8% em 2017 e de 63,9% em 2016.

Em contrapartida, a população empregada com contratos a prazo aumentou em 2,2%, para um total de 745 mil, o que representa 15,3% da população empregada, a mesma proporção que se verificava tanto em 2017 como em 2016.

FONTE: ECO Economia Online

Associadas

Parcerias

Objectivos

‘‘Os objectivos da ANIL centram-se na defesa dos interesses e representação do sector, no acompanhamento das matérias legislativas, normativas, ambientais, económicas e técnicas que contribuam para o desenvolvimento da indústria láctea em Portugal...

Calendário

Redes Sociais

Top
ATENÇÃO: Este site apenas usa os cookies para lhe facilitar a navegação enquanto utilizador.
Saiba mais sobre cookies OK Decline