Fusões e aquisições de empresas nacionais movimentaram milhões

11 janeiro 2019

Os investimentos de venture capital fecharam o ano em alta, com os melhores resultados dos últimos quatro anos e 462 milhões aportados.

Menos negócios, mas mais dinheiro envolvido. Assim terminou o último ano em termos de transações empresariais em Portugal. O mercado de fusões e aquisições (M&A) português movimentou 22,6 mil milhões de euros em 2018, mais 76% face a 2017, segundo o mais recente relatório da Transactional Track Record (TTR), publicado esta quinta-feira, 10 de janeiro.

A nível de transações (deals) foram registadas 350, o que significa uma ligeira quebra de 2,23% quando comparada com o período homólogo. Os investidores espanhóis e os britânicos [cross-bord] foram os que mais interesse demonstraram em fazer este tipo de operações no país, tendo havido 49 investimentos de empresas de Espanha (2,3 mil milhões de euros) e 25 de firmas com sede no Reino Unido (1,6 mil milhões de euros). “A sombra do Brexit não arrefeceu o interesse britânico pelos negócios portugueses”, refere o TTR.

Segundo o mesmo documento, só no quarto trimestre de 2018 foram anunciados 101 novos deals em Portugal. Porém, apenas 46 tornaram públicos informações financeiras sobre o negócio (neste caso, totalizando 5,7 mil milhões de euros, valor superior em 41% comparativamente ao último trimestre de 2017).

Neste trimestre, a conclusão da compra de 70% da portuguesa Frutorra pela espanhola Grefusa foi a maior transação, de acordo com o diretório. A operação teve assessoria da Garrigues, PwC e CNA Corporate Finance.

“O segmento Imobiliário teve mais uma vez uma forte influência no volume financeiro do ano, aparecendo como o mais ativo do período, com 90 operações registadas, uma alta de 27%, seguindo tendência que se repete desde 2015 (…). Enquanto Tecnologia e Financeiro e Seguros anotaram crescimento de 3% e 6%, respetivamente, o segmento de Turismo, Hotelaria, Restaurantes teve alta de 68% no ano”, pode ler-se no relatório.

A marcar o ano que terminou há pouco estiveram ainda os investimentos em capital de risco. Ao contrário do private equity (-6%, para 1,9 mil milhões de euros), venture capital fechou o ano em alta, com os melhores resultados dos últimos quatro anos (45 operações e 462 milhões aportados).

FONTE: Jornal Económico

Associadas

Parcerias

Objectivos

‘‘Os objectivos da ANIL centram-se na defesa dos interesses e representação do sector, no acompanhamento das matérias legislativas, normativas, ambientais, económicas e técnicas que contribuam para o desenvolvimento da indústria láctea em Portugal...

Calendário

Seg. Ter. Qua. Qui. Sex. Sáb. Dom.
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

Próximos Eventos

Não existem eventos programados!

Redes Sociais

Top
ATENÇÃO: Este site apenas usa os cookies para lhe facilitar a navegação enquanto utilizador.
Saiba mais sobre cookies OK Decline